04 setembro 2017

Arrependimentos da maternidade - Relatos de uma mãe de primeira viagem

|| ||
Vou contar um segredo aqui que poder ser que te choque um pouco, então se prepara: Mães são imperfeitas. Cometemos erros. Pisamos na bola.
É isso mesmo. A gente erra, se arrepende. Não sei se com todas as mães é assim, mas eu pelo menos uma vez por dia me sinto a pior mãe do mundo. Seja porque não deixei o Miguel comer algo porque era hora do almoço ou porque gritei com ele, ou por qualquer outro motivo. Eu me sinto péssima e fico me perguntando porque Deus permitiu que uma pessoa nervosa como eu tivesse filho. Mas esses são os pequenos obstáculos do dia a dia. Vou falar hoje de alguns grandes arrependimentos, sérios ou bobinho, desde a gravidez até o presente momento.


Me arrependo de não ter feito ensaio gestante

Me arrependo muito de não ter feito ensaio fotográfico de barrigão. Eu sinto muita falta de saber que meu bebê estava protegido de tudo e todos em minha barriga. E outra: Acho lindo barriga de grávida e, sem modéstia, minha barriga ficou muito linda. Se você está grávida ou planejando engravidar, faça as fotos. Não vai se arrepender.

Ensaio new born

Entra no mesmo ponto da categoria em cima. Eu tirei muitas fotos do Miguel em seu primeiro ano de vida, mas queria ter feito um ensaio profissional, bem bonitinho e produzido logo que ele nasceu. Acho lindo.


Me arrependo de não ter pago por um quarto particular pro parto

Não me entendam errado. Meu parto foi lindo e emocionante. Foi mesmo. Foi na rede pública e fui muito bem atendida e em momento algum alguém tentou me dar alguma medicação sem me pedir autorização nem nada disso. Mas eu tive que ficar com aquela roupa horrível de maternidade, então não tive contato pele com pele com o Miguel logo que ele nasceu. E não me deixaram amamentar ele assim que o parto foi realizado. Porque ele precisava ser pesado e tals. Eu entendo a necessidade disso tudo, mas também sei que nada é melhor para um recém nascido que mamar na primeira hora de vida. E mais. Meu marido e minha mãe só podiam estar comigo em horário de visita. Os três dias que estive na maternidade eu dormia a maior parte do tempo, mas teria sido muito bom se tivesse alguém sempre comigo.

Me arrependo de gritar um segundo depois que grito

Gente, mãe grita. Eu pelo menos grito. E geralmente grito pra não dar umas palmadas na bunda. Eu sempre fui uma pessoa que grita quando se estressa e não existe nada mais estressante no mundo que uma criança de dois anos querendo testar seus limites. Os meus são bem baixos.


Me arrependo de não pegar mais no colo

Eu ainda pego o Miguel no colo sempre, deitamos juntinhos e ficamos agarradinhos, mas se eu estou fazendo algo, como serviço de casa, não o pego. Totalmente compreensível, já que ele está pesado, mas me arrependo disso.

Não tenho muitos arrependimentos e eles são leves, pelo menos por enquanto, afinal Miguel ainda tem dois anos e não vai na escolinha. Eu tento todo dia ser melhor mãe pra ele, mas maternidade não é um emprego fácil. A gente não tem direito a folga, férias e nem mesmo horário de almoço e o expediente nunca termina. Mas nada na minha vida me faz mai feliz que ser mãe do meu pequeno. Acho que ser mãe é isso. Uma coleção de arrependimentos e sentir mais amor do que jamais imaginou ser possível.

6 comentários:

  1. Ser mãe é foda! Ninguém é perfeito, todo mundo erra. Não tenho planos de ter filhos por enquanto, mas já anotei as dicas das fotos (realmente são momentos únicos que merecem ser registrados).
    Beijos!

    claramenteinsana.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sempre digo que antes de ser mãe você deve se preparar psicologicamente. Para mim foi natural e muito instintivo, mas nem pra todo mundo funciona assim.
      Beijos

      Excluir
  2. Uma vez eu li um texto sobre o porquê NÃO romantizar a relação mãe-filho. Isso porque a mídia em geral tende a exagerar os pontos positivos e a gente só vê as dificuldades ali, quando uma mãe desesperada reclama da loucura de ser responsável por um outro ser. Eu só quero ter filho lá perto dos 30, quando tudo — se Deus quiser — estiver ajeitadinho tanto pessoal quanto profissionalmente, mas tenho alguns mesmos pensamentos com você e pretendo levá-los comigo até o momento certo.
    E mãe erra sim. Mas cada um dos pequenos erros é focando em acertos e melhoria da vida dos filhos. Então sim, mãe erra. Mas se não fosse por eles, não seríamos quem somos.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que essa relação vem sendo romantizada a tempo demais e somente agora começa a ganhar tons de realidade, dura e linda. A maior parte das mulheres da minha família tem filho aos 30. Eu que me adiantei.
      Beijo

      Excluir
  3. Amo ler esses desabafos,
    Eu não sou mãe, mas pretendo ser um dia!
    Vcs são especiais..
    Minha mãe já pisou na bola comigo diversas vezes, na época eu ficava nervosa e virava a cara,
    Hoje, mesmo não tendo filhos, sei que ela fez e faz tudo por amor *_*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu demorei pra entender meus pais. Entendi mesmo somente depois que o Miguel nasceu. Tudo que a gente faz é pensando no bem dos filhos. Erramos algumas vezes, mas sempre tentando acertar.

      Excluir

Quer conversar comigo? Me mande um e-mail: vidasempretoebrancocontato@gmail.com
♥ Chegou até aqui, não custa comentar ;)
♥ Todos os comentários são respondidos e retribuídos, normalmente nas quartas e domingos;
♥ Não faça spam. Apagarei com certeza.
♥ Se tiver alguma dica, crítica ou o que for, pode deixá-la aqui, mas faça com jeitinho, sou sensível
Cada comentário me deixa muito feliz.
Beijos na bochecha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Vidas em Preto e Branco - 2015. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo do blog.
Criado por: Marcy Moraes.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo