07 dezembro 2016

Resenha #72 - A Hospedeira

|| ||

Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.
A hospedeira pode ser considerado um de meus livros favoritos no mundo. É uma ficção científica que não parece ficção. Você mergulha tão profundamente na história que realmente acredita que aquele cenário é real. Eu, na primeira vez que o li, ficava procurando reflexos prata nos olhos das pessoas na rua. Pode parecer bobagem, mas é verdade. Eu fiquei meio neurótica com isso kkk.


A opinião da Lary sobre a história...

Esse não é um livro muito fácil de ser lido. Seu início pode ser meio arrastado e muitas coisas que acontecem ao longo da história são um pouco dolorosas de serem lidas. Eu sou bastante chorona, já sabem disso, mas esse livro foi me destruindo aos poucos. Mas el também nos reconstrói. Faz com que acreditemos na humanidade. Ele nos faz perceber que, mesmo com toda maldade do mundo, sempre existem pessoas boas. 
Ouvi maravilhada suas palavras de desculpas; era muito mais gentileza do que eu havia esperado, mais compaixão do que pensara que esta espécie fosse capaz de mostrar para com seus inimigos.
Ele nos mostra que mesmo com as raças mais puras (neste caso, as almas), você vai encontrar indivíduos que não estão dispostos a serem bons. Esse livro fala muito sobre isso. Sobre o querer ser bom, sobre lutar contra o mal, a aceitar que todos tem falhas, mas que devemos tentar concertar essas falhas.
Sempre pensei que se a pessoa quiser, pode se dar bem com quase todo mundo.
Mais que uma história de ficção, é uma história sobre amizade, amor, sobre família e nunca deixá-los. É uma história sobre novos começos, sobre as emoções humanas, sobre aceitação e não aceitação. É sobre resistir.
Muita gente desiste de ler esse livro por seu início. O início é realmente lento, mas depois a história começa a ganhar vida em sua mente. Se você já o abandonou alguma vez eu lhe digo para dar outra chance. Leia até a metade pelo menos. Se mesmo assim não te conquistar, abandone de vez. Caso contrário, finalize essa maravilhosa leitura.
Apaixone-se por Melanie, Peregrina, Jared, Ian e tantos outros personagens queridos. Conheça a vida nas formações rochosas. Descubra sobre a vida em outros planetas. Durma com uma pulga atrás da orelha pensando se algo assim já não está acontecendo e você nem percebeu.
A hospedeira é um livro pra ser lido sem pressa, observando todas suas nuances, todas suas críticas, pra analisar suas personagens e descobrir que você é um pouco de cada. É pra você procurar por reflexos prata nos olhos dos outros, mas não sentir medo se você encontrar. Só posso frisar mais uma vez: Esse livro merece ser lido.
Quote escolhida pro projeto Poteando quotes

Ficha técnica...

Título: A hospedeira
Título original: The host
Autora: Stephenie Meyer
Editora: Intrínseca
557 páginas
Nota: ***** (5/5) ♥
Nota no Skoob: 4.1

Concluindo: Muitas pessoas tem um preconceito com a Stephanie graças a Crepúsculo. Eu não sou nada fã da série (eu não gostei nadinha, pra falar a verdade), mas não vejo motivos para desprezar uma autora por uma obra. Esse livro, essa escrita, não tem nada a ver com Crepúsculo, garanto. Então se é isso que afasta vocês dessa leitura, leiam agora mesmo.

6 comentários:

  1. Vou baixar esse livro (aqui na minha cidade não tem livraria acredita? ¬¬) Mais obrigada pela resenha, adoro Stephanie.

    http://mundo-mikas.blogspot.com

    Seguindo ><

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acredito. Também não tinha na cidade que cresci. Eu tinha que comprar pela internet.

      Excluir
  2. Oi, Lary.
    Já ouvi falar críticas boas e negativas a respeita desse livro, recentemente a Netflix disponibilizou o filme e acabei assistindo o que já me faz criar uma certa resistência para lê-lo.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      O filme deixa muito a desejar. O livro é incrível, nos faz pensar n o quanto somos pequenos no espaço.
      Beijos

      Excluir
  3. Eu assisti o filme e desde então tenho muita vontade de ler! Já vi várias críticas sobre esse livro e ele parece ser bem "ame ou odeie", sabe? Adorei a resenha!
    Um beijão,
    Gabi do likegabs.blogspot.com ❣

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem assim mesmo. Tem quem ame, tem quem odeie. Eu amo.
      Beijos

      Excluir

Quer conversar comigo? Me mande um e-mail: vidasempretoebrancocontato@gmail.com
♥ Chegou até aqui, não custa comentar ;)
♥ Posso até demorar, mas todos os comentários são respondidos
♥ Se deixar seu link no fim de um comentário decente, irei retribuir com todo carinho
♥ Não faça spam. Apagarei com certeza.
♥ Se tiver alguma dica, crítica ou o que for, pode deixá-la aqui, mas faça com jeitinho, sou sensível
Cada comentário me deixa muito feliz.
Beijos na bochecha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Vidas em Preto e Branco - 2015. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo do blog.
Criado por: Marcy Moraes.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo