19 maio 2014

Entrevista com Rick Miranda

|| ||


Olá Amoras e Amores. Como faz um certo tempo que não trago notícias do mundo literário, fiz uma pequena entrevista com o Rick Miranda, parceiro do blog e que acabou se tornando um grande amigo para mim. Ao meu ver, a entrevista ficou bem bacana e acho que vai agradar a todos vocês, apaixonados por livros e por novidades. Bom, vamos a entrevista:

1-      O que mais te inspira para escrever?
Muitas coisas, principalmente a minha vida e coisas que não tenho coragem de admitir/falar/fazer. Ou coisas que não são possíveis...  Eu coloco protestos silenciosos, coloco alguns amigos, parentes, zombo da arrogância de algumas pessoas... Tudo que eu escrevo tem um porquê. Os personagens quase que realmente existem. Eu me inspiro na realidade, na voracidade de um animal, numa música, num filme, estado emocional, sonhos/pesadelos que já tive, e coisas do tipo. O livro é nada mais nada menos do que o mais puro “eu”.
2-      Qual o momento mais embaraçoso que aquela ideia surgiu na sua mente e a única coisa que você pensava era “Preciso sair daqui para poder escrever”?  
Definitivamente o beijo lésbico do livro. Foi muito embaraçoso quando tive a ideia, quase que eu disse “Ei, estou te imaginando beijando uma menina nesse momento!” Eu estava num espaço muito público e surtei, viajei e até ri sozinho. Sempre está acontecendo e minhas expressões são muito reais, isso é realmente embaraçoso, pois não sabem o motivo de eu estar rindo ou chorando sem motivos aparentes.                                        
3-      Qual foi seu primeiro livro e com quantos anos começou a ler?
Não lembro, e para a surpresa de todos, não sou um leitor muito eficiente. A literatura nem sempre esteve presente na minha vida, e esteve muito carente na minha infância. Só escrevi esse meu livro quando virei um verdadeiro leitor, um dos meus primeiros cinco livros me fizeram escrever PFP.
4-      Qual a maior dificuldade que você enfrentou no começo?
As perguntinhas que eu fazia a mim mesmo: “Será que estou escrevendo algo interessante ou um monte de bosta em forma de letras?” “Será que isso é bom ou chato?” “Será que alguém já escreveu sobre isso?” Sabe? A insegurança foi minha maior barreira. Fora a falta de experiência, afinal, eu nunca tinha escrito NADA com mais de 3 páginas, no máximo.
5-      Qual foi a reação dos seus pais e familiares quando souberam que você queria ser escritor?
Quase que uma indiferença, e é assim até hoje. Meus pais não ligam TANTO, mas sabem que é importante pra mim. O resto da família gosta da ideia e usa mais pra encher a boca, enquanto apenas uma tia me apoia de verdade e já até leu o livro.
6-      Você acha que é difícil hoje em dia para escritores brasileiros concorrer com autores internacionais, que são cada vez mais valorizados por nós?
MUITO. Você pode ser o João Verde (Jhon Green, o queridinho do momento) brasileiro, você pode até escrever melhor que a J.K (Será?), mas os adolescentes nunca vão te dar o teu devido valor se na capa, não vier estampado que foi um bestseller no New York Times. A maioria arrasadora dos leitores desse país é adolescente ou chegando lá, e prefere um livro famoso estrangeiro que está prestes, ou já virou, filme a um livro brasileiro, que sequer dá pra sustentar, com uma vida razoável, seu autor. Eles não são nem um pouco patriotas na música e na literatura menos ainda. Eu, por exemplo sou um pouco — talvez muito — assim, tenho que confessar... Mas eu sei o valor da nossa literatura, da música nem tanto, mas sim da literatura. Disso eu tenho certeza. Renata Ventura é o tipo de autora que me faz acreditar na nossa literatura atual, e não só em coisas consagradas e antigas como as intocáveis obras dos intocáveis autores.
7-      Como você fica quando está sem inspiração?
Quase doente. Escrevo, apago, escrevo, apago. Mas isso é bem raro. O difícil pra mim é parar de pensar em novas possibilidades e hipóteses malucas para o livro. Às vezes tenho que analisar se o que eu vou colocar no livro é algo “aceitável” e não tão louco.
8-      Você recebe ajuda de seus amigos para a criação de personagens ou se inspira neles para dar as características?
Me inspiro neles, e muito. Eles sabem às vezes, mas a maioria nem sonha. Eu realmente não gosto de palpites na hora da criação de estruturas primárias e fundamentais, como personagens, cenário, e tudo mais. Algumas opiniões sobre detalhes são super benvindas, e tento não escutar tanto os amigos, já que são como mãe. A opinião deles sempre é aquela que podemos duvidar.
9-      Pretende ser escritor por toda a vida? Se não, o que gostaria de fazer?
Não acredito que eu seja bom o bastante pra viver de literatura, mas eu sempre vou escrever. Posso não estar sempre lendo, mas escrevendo? Sempre. Eu vou me tornar estilista, ou algo na área de artes cênicas. Esses são meus futuros alternativos. Nada muito certo.
-  Quando não consegue escrever, costuma ir para lugares diferentes buscar inspiração?
Não. Lugares nunca. Meu quarto é sagradíssimo. Pra me inspirar, no máximo uma música. Não tenho problemas com isso. Um bom incenso, música e um café já são o bastante. Tudo na minha cama, no meu quarto.
Capa de PFP
  Seu primeiro livro, Perdida na Floresta dos Pensamentos, foi criado com o intuito de ser algo só seu. O que te motivou a divulga-lo?
O rumo que tomou. Eu percebi que estava escrevendo algo que valeria a pena, talvez, ser lido. Eu criei uma intimidade com minhas personagens e queria conversar sobre eles com outras pessoas, e Anne... Anne tinha que ser conhecida e inspirar pessoas. PFP tem que passar sua mensagem.
  Como as personagens costumam aparecer para você: Completamente formados, características físicas e emocionais, Aos poucos, Em sonhos, Inspirados em pessoas que você conhece? Fale um pouco sobre isso.
Então... Eu penso num nome e vai fluindo como um rio, tudo vem do nome. Daí eu recorro à etapa de “roubo” onde roubo características de amigos e familiares, por último eu finalizo com detalhes meus, tirados de mim e coisas inventadas, completamente inventadas.
  Quais livros/autores te inspiram?
Então... Inicialmente, PFP seria uma versão “corrigida e mais criativa” de Fallen, mas não foi. Não se reduziu a uma fanfic. Eu tinha bastante material, e recomecei tendo em mente que era um livro. Acho que, então, deve ser Fallen.
  Suas personagens costumam te acompanhar em seus sonhos? Já precisou acordar porque eles ficavam “conversando” dentro de sua mente?
Mais ou menos. Eu durmo pensando nas cenas deles. Eu penso em livros pra cada um deles. Minha relação mais próxima é com Anne, eu amo essa menina.
  Você tem uma “trilha sonora” pra quando escreve ou prefere silêncio total?
Sempre com uma trilha sonora. Ouço muito Evanescence na hora de escrever, e Lorde também.
 Seu primeiro livro tem uma pegada mais dark, mais sombria, por que?
Sempre vou ter esse lado. Meu primeiro contato com o mundo das letras, produzindo, foi em 2012 (um ano antes de PFP). Eu escrevia poemas góticos, muito sombrios e naquele estilo melancólico e mórbido. PFP não é nem uma sombrinha perto do que eu escrevia. Por isso, sempre vai existir um resquício desse tipo nos meus livros.
  Tem alguma personagem que tenha sido inspirada em você?


Todos têm um pouco de mim, mas a personagem com mais teor Rickólico é Anne.
  Escolher um título apropriado é uma das tarefas mais difíceis. Você teve dificuldades ou o título surgiu naturalmente?
O título é pensado pra ser sugestivo e curioso, não é dos melhores mas descreveu completamente o livro e o estado de Anne. Acredite ou não, eu não tinha nada quando fiz o título, tem o tema, nem Anne, nem nada. O livro saiu do título.
  Além de escrever, tem algum outro passatempo artístico?
Desenhar (moda), cantar, atuar. Amo esses três.
-  Dê dicas para quem está começando escrever agora.
Solte seus instintos, não ligue para os outros, mas evolua e esteja aberto para reconhecer seus erros. Siga em frente, sempre e acredite em você. É trabalhoso, é irritante às vezes e tem que ser seu chão. Se você conseguir pensar que conseguiria viver sem seu livro, pare de escrever. Você tem que ser parte do livro e ele de você. Se ele morre, você morre, então faça-o ser eterno e será também. 
Rick, sua foto preferida para se representar na literatura.


 Espero que tenham gostado da entrevista. Se tiver alguma pergunta que queiram fazer para o Rick, deixem nos comentários que eu passo pra ele. Quem quiser saber mais sobre o livro, é só clicar aqui neste link, onde tem a sinopse e algumas informações bem bacanas. Dependendo do numero de perguntas eu faço uma nova entrevista. Não esqueçam de deixar o comentário com a opinião de vocês, ela é muito importante pra mim. Beijos e até a próxima. Com carinho, Lary Zorzenone.

14 comentários:

  1. Gostei muito da capa e da ideia do livro, adorei a última parte onde ele diz ''Você tem que ser parte do livro e ele de você. Se ele morre, você morre, então faça-o ser eterno e será também''. Parabéns e sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que ela faça muito sucesso, assim como nós e todos os outros escritores espalhados pelo mundo.
      Beijos

      Excluir
  2. Gostei imenso do teu blog, não conhecia!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por ter vindo visitar/conhecer meu cantinho. Fico muito feliz que tenha gostado. Volte sempre '-'

      Excluir
  3. Respostas
    1. Awn <3
      Fico extremamente feliz que esteja gostando, querida.
      Cuido do meu cantinho com muito carinho
      Beijos

      Excluir
  4. Excelente!
    bjs
    http://www.pinkbelezura.com/
    https://www.facebook.com/pinkbelezura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Lary, adorei a entrevista!
    Você está de parabéns pelo blog, sempre!
    Beijos

    http://estantedafer.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado da entrevista, Fer. Obrigada por acompanhar querida. É uma honra tê-la aqui.
      Beijos

      Excluir
  6. Respostas
    1. Obrigada Flor. A entrevista só ficou bacana graças ao entrevistado ;)

      Excluir
  7. A entrevista ficou mto legal!! Não conhecia o escritor e achei interessante as respostas dele!! Adoro ler é acho mágico esse povo que consegue criar histórias tão fantásticas!!

    Bjux
    http://conceitogaya.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado da entrevista. Cada vez que converso com o Rick, descubro o quanto ele se transforma.
      Beijos

      Excluir

Quer conversar comigo? Me mande um e-mail: vidasempretoebrancocontato@gmail.com
♥ Chegou até aqui, não custa comentar ;)
♥ Todos os comentários são respondidos e retribuídos as quartas e ao domingos.
♥ Para deixar seu link, use esse exemplo Nome do seu blog
♥ Não faça spam. Apagarei com certeza.
♥ Se tiver alguma dica, crítica ou o que for, pode deixá-la aqui, mas faça com jeitinho, sou sensível
Cada comentário me deixa muito feliz.
Beijos na bochecha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Vidas em Preto e Branco - 2015. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo do blog.
Criado por: Marcy Moraes.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo