12 outubro 2013

Resenha #05 - O teorema Katherine

|| ||


Informações
Título: O teorema Katherine
Título original: An abundance of Katherines
Autor: John Green
Tradução: Renata Pettengill
Ano: 2013
Editora Intriseca
Nota: ***** (5/5)
Status: Acabei de ler 

Eu peguei ele na: Minha Prateleira (ganhei do Deh)
Onde comprar?
Livraria da Folha | Saraiva | Submarino | Livraria cultura | Americanas

Na contra capa...

 19 Katherines. Por enquanto...
Quando se trata de garotas (e, no caso de Colin, quase sempre se tratava), todo mundo tem seu tipo. O de Colin Singleton não é físico, mas linguístico: ele gosta de Katherines. E não de Katies, nem Kats, nem Kitties, nem Cathy, nem Rynns, nem Trinas, nem Kays, nem Kates, nem - Deus o livre - Catherines. K-A-T-H-E-R-I-N-E. Já teve dezenove namoradas. Todas chamadas Katherine. E todas elas - cada uma, individualmente falando - terminaram com ele. 

Nas abas...

Colin conhece Katherine. Katherine gosta de Colin. Colin e Katherine namoram. Katherine termina com Colin. É sempre assim.
Após seu mais recente e traumático pé na bunda, o Colin que só namora Katherines resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-garoto prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, com pura matemática, o desfecho de qualquer  relacionamento.
Uma descoberta que vai entrar para a história, elevando Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. E também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

Sobre o autor...

John Green é um dos escritores norte-americanos mais queridos pelo público jovem e igualmente festejado pela crítica. Autor best-seller do The New York Times, premiado com a Printz Medal e o Printz Honor da American Library Association e com o Edgar Award, foi duas vezes finalista do prêmio literário do LA Times. Com o irmão, Hank, mantém o canal do YouTube "Vlogbrothers", um dos projetos de vídeo on-line mais populares do mundo. Mora com a mulher e o filho em Indianápolis, Indiana.

Opinião da Lary

Eu estava lendo várias críticas negativas sobre esse livro. Eu ganhei ele de presente (tinha dado duas opções para ele) e estou super feliz por ter passado ele na frente dos outros 35 livros que tem pra ler ainda. Eu creio que gostei do livro por ter me identificado com o Colin (Não. Eu não sou uma garota prodígio, até porque já tenho 20 anos, e eu não sou fluente em 11 línguas. Mas eu sempre gostei de estudar. Sem querer parecer nerd nem nada mas minha vida social é quase nula. Ela se resume a internet, cartas e pessoas que veêm me ver). Quem nunca quis sair viajando com seu melhor amigo sem destino certo? (Não sei quanto a vocês mas esse era o plano meu e do meu melhor amigo. Desistimos por diversos motivos... Tema para outro post) No começo do livro, eu achava que Colin era um louco, no meio do livro esse pensamento se intensificou e eu terminei a leitura com absoluta certeza disso. Acabei gostando muito de Colin, de Hassan e da Lindsey e gostaria que a aventura deles não tivesse chego ao fim (tio João Verde, você me deve uma explicação sobre a decisão deles três!!!). Meu livro ficou lotado de post it coloridos marcando minhas partes preferidas (olha ai a imagem) e, com certeza, eu voltarei a ler ele assim que ler os que estão aguardando (mas as partes preferidas vou ler sempre!). É uma leitura bastante divertida (fiquei rindo igual doida no ponto de ônibus), interessante e você até mesmo consegue aprender sobre diversos assuntos (principalmente se for curioso como o Colin... ou como eu). Recomendo e ele recebeu a nota máxima.

Trecho que mais gostei: "Ele acabou parando de pensar no Teorema e ficou se perguntando simplesmente como algo que não está lá pode causar tanta dor em alguém." (pág 136)
 
Tive dificuldades em escolher um só trecho. Escolhi o que daria menos spoiler possível. Alguém mais leu, esta lendo ou quer ler este livro? Qual sua opinião sobre ele? Até a próxima. Com carinho, Lary.

2 comentários:

  1. Eu to lendo esse livro, mas acho que a leitura esta agarrando sabe, não vai pra frente. Só consigo ler um ou dois capítulos em um dia rs. Mas vou terminar porque o John Green é lindo. Eu não sei como esse cara consegue se superar! Eu não achei o livro ruim, só achei que a história não prende tanto sabe, mas eu admiro o John porque eu nunca conseguiria pensar tanto pra escrever um livro como ele fez rs. O trecho que eu mais gostei até agora foi "Algumas pessoas nesse mundo cê só consegue amar, amar e amar, não importa o que aconteça" *----*

    É isso. Você já leu os outro livros dele? Eu comprei Quem é você, Alasca? agora, está para chegar *--*
    Beijos, beijos. Seu blog é lindo e você é diva :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana.
      Esse foi o primeiro livro que li do John mas estou hiper com vontade de ler todos os outros. Amei a forma que ele escreve. Eu achei estranho eu ler tão rápido esse livro... Me senti muito nerd haha.
      Obrigada pelos elogios. Sou da forma que sou graças a vocês, que leêm meu blog, que comentam e dão apoio para mim.
      Beijos ;*

      Excluir

Quer conversar comigo? Me mande um e-mail: vidasempretoebrancocontato@gmail.com
♥ Chegou até aqui, não custa comentar ;)
♥ Todos os comentários serão retribuídos quando eu voltar de viagem;
♥ Não faça spam. Apagarei com certeza.
♥ Se tiver alguma dica, crítica ou o que for, pode deixá-la aqui, mas faça com jeitinho, sou sensível
Cada comentário me deixa muito feliz.
Beijos na bochecha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Vidas em Preto e Branco - 2015. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo do blog.
Criado por: Marcy Moraes.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo