29 setembro 2013

Entrevistando o autor #01 Alice Canato, autora do romance "Amora"

|| ||
Hoje eu tenho a honra de repassar para vocês a entrevista que eu fiz com a queridíssima Alice Canato, autora do romance "Amora". Quero agradecer a Alice por ter cedido alguns minutinhos do seu tempo para responder as minhas perguntas. Espero que com a leitura dessa entrevista, vocês se sintam mais próximos da autora e do maravilhoso livro do qual falamos nessa entrevista.

Entrevista: Alice Canato

01)-O que te deu inspiração para escrever o romance “Amora”?

Em primeiro lugar quero agradecer o convite. Obrigada pelo carinho e pela oportunidade de poder entrar em contato com os leitores através do seu blog. Desejo-lhe muito sucesso.
Bem, eu já tinha uma estrutura montada quando decidi escrever “Amora”, e sabia mais ou menos como seria o romance, eu só não sabia como transformar os meus pensamentos em palavras escritas; foi um aprendizado. Escrever um livro bem elaborado é uma tarefa que exige total envolvimento, não é um trabalho que termina no final do dia; a história não nos abandona, ela se mistura ao nosso cotidiano e tudo que nos cerca pode ser fonte de inspiração e se transformar em idéia para o texto. No meu caso as músicas e os livros foram essências para o processo criativo. Existe uma trilha sonora inteira por trás de “Amora”; além disso, eu sempre recorri a uma boa leitura quando me imaginava vazia de palavras.

02)-De onde surgiu a idéia para o título do livro?

 A princípio eu não pensei no título e nem mesmo nos capítulos, escrevia aproveitando as minhas antigas anotações e as novas idéias que iam surgindo; mas conforme o texto foi tomando forma passei a sentir a necessidade de nomeá-lo, e mais uma vez uma música me inspirou. Nada mais óbvio, a idéia surgiu espontaneamente quando ouvi a toada “Amora” de Renato Teixeira, naquele momento eu percebi que havia encontrado o “tema de abertura” do meu livro.

03)-Quando você descobriu que queria ser escritora?

Esse não foi um caminho pensado, eu não acordei certo dia com vontade de ser escritora, apenas senti uma necessidade muito grande de canalizar essa energia que estava represada dentro de mim. O processo foi mais de aceitação do que de vontade. Tive que trabalhar com a idéia de tornar público algo tão particular quanto os meus pensamentos. Sempre tive o hábito de imaginar histórias e de fazer anotações delas, mas comecei a me indagar: por que eu fazia aquilo? Então percebi que tanta imaginação só fazia sentido em uma escritora. Foi em 2.009 quando parei de fazer anotações e comecei a escrever o romance “Amora”.


04)-Já tem planos para um novo romance?

Sim, tenho muitas idéias que gostaria de colocar em prática; já comecei a fazer algumas anotações, mas no momento parei com a produção de texto para me dedicar à divulgação de “Amora”. O livro impresso saiu há apenas um mês e o lançamento do livro digital está previsto para a segunda quinzena de outubro, por enquanto ainda estou muito envolvida com esse projeto, preciso finalizá-lo para me dedicar a outro com tranqüilidade.


05)-O que você gostaria de dizer para os fãs do seu trabalho?


Quero principalmente agradecer o carinho de todos. O processo de publicação de “Amora” foi longo e trabalhoso, não é fácil iniciar a carreira de escritora no Brasil. No momento em que, através das palavras, damos vida a uma personagem, passamos a ter a responsabilidade de torná-la real dentro de uma ficção; para que a história se torne convincente, precisamos fazer com que o leitor sinta toda a carga emotiva contida no texto e para isso trabalhamos com a nossa própria emoção. É um processo bastante intenso que exige total dedicação por parte do escritor; então quando terminamos um livro, tudo o que queremos é torná-lo público e é aí que começam as dificuldades. Enfim, o romance “Amora” percorreu e continua percorrendo um longo caminho até chegar às mãos do leitor; e é com uma grande alegria que percebo as diferentes reações que ele provoca em quem o lê, ainda não encontrei ninguém que ficasse imune ao seu texto; e isso é a maior satisfação que um escritor pode ter.

06)-Quando criança quais eram os seus livros preferidos?

Eram os livros ilustrados dos contos de fadas, acho que eles são uma unanimidade entre as crianças de todos os tempos. Os príncipes e as princesas das histórias clássicas dividem com os animais falantes das fábulas uma grande responsabilidade na formação dos pequenos leitores. Lembro-me ainda de duas leituras que me causaram impacto na infância: “O pequeno príncipe”, que dispensa explicações; e “Poliana”, a atitude otimista daquela menina, certamente contribuiu para o prazer que sinto no hábito da leitura.

07)-Qual o autor da atualidade que você mais admira?

Tem muita gente boa produzindo textos de excelente qualidade, cada um com o seu estilo, é claro. Sou bastante eclética e gosto de muitos, mas posso citar dois em especial: Markus Zusac e Carlos Ruiz Zafón.

08)-Quando descobriu o seu amor pela leitura?

Quando criança eu gostava muito de ler gibis e nas férias esperava ansiosa pela compra dos livros escolares; o de português, em especial, que sempre trazia textos ilustrados que eu lia antes de começar as aulas. Além disso, naquela época não tínhamos acesso ao computador e a todas as facilidades que ele oferece; era muito natural freqüentarmos a biblioteca da cidade a procura de material para as pesquisas escolares, aquele ambiente recheado de livros certamente me influenciou; acredito que foi daí que surgiu o meu amor pela leitura.  

09)-Qual o livro que você leu mais vezes até hoje? Quantas vezes leu ele?

Li “Amora” incontáveis vezes antes de liberá-lo para a publicação procurando por erros microscópicos, mas obviamente para mim ele é “hors-concour”. Então o segundo livro que eu li mais vezes é seguramente “Ou isto ou aquilo” de Cecília Meireles; lia as poesias para os meus filhos quando eles eram crianças, não sei exatamente quantas vezes.

10)-Qual história fez você chorar mais?

Não foi um livro, foi um filme chamado “O Campeão”, nunca chorei tanto por conta de uma história, mas mesmo assim eu o recomendo.

6 comentários:

  1. Olá Larissa, adorei o blog e a entrevista. Obrigada pelo carinho. Desejo-lhe muito sucesso.
    Um grande abraço! Alice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Alice. Que o mesmo sucesso que você desejou para mim, vá em dobro pra você

      Excluir
    2. Olá Alice, primeiro quero parabenizar você e a Larissa pela entrevista, ficou ótima! Mas algo me deixou muito curiosa, qual é a trilha sonora por tras de "Amora"?

      Excluir
    3. Rayca, perguntei para a Alice e ela disse qual é a trilha sonora por trás de Amora, pelo menos a parte que ela se lembrou. Vamos a lista:
      Eu quero - Sérgio Bittencourt
      Bailão - Kleiton e Kledir
      Violão em seresta - Rolando Boldrim
      Blue moon (a versão tocada como no filme "Grease")
      Casinha branca - Renato Teixeira
      Folhetim, Valsa brasileira e Valsinha - Chico Buarque
      Espero que tenha ajudado
      Beijos

      Excluir
  2. Adorei a entrevista.muito bem elaborada parabéns.. li o livro e adorei.. parabéns pelo blog..
    Maria Eugênia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas palavras carinhosas, Maria Eugênia
      Estou super curiosa para ler o livro. Assim que ler, postarei uma resenha aqui para vocês.
      Beijinhos

      Excluir

Quer conversar comigo? Me mande um e-mail: vidasempretoebrancocontato@gmail.com
♥ Chegou até aqui, não custa comentar ;)
♥ Todos os comentários são respondidos e retribuídos, normalmente nas quartas e domingos;
♥ Não faça spam. Apagarei com certeza.
♥ Se tiver alguma dica, crítica ou o que for, pode deixá-la aqui, mas faça com jeitinho, sou sensível
Cada comentário me deixa muito feliz.
Beijos na bochecha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Vidas em Preto e Branco - 2015. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo do blog.
Criado por: Marcy Moraes.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo